Feiras migram para o mundo virtual e tentam recriar interação física

By 16 de junho de 2020 Releases No Comments
Feira Virtual

Para vender produtos artesanais, sites de eventos contam histórias de expositores e oferecem programação com transmissões ao vivo

Com a pandemia as feiras livres tiveram que parar e não podem acontecer fisicamente, com isso algumas pessoas migraram para o mundo virtual. Sendo impossibilitados de divulgar fisicamente a feira virtual, o site Feira Jardim Secreto criou um resumo do trabalho de cada produtor dos ramos de beleza, moda, papelaria e decoração.

As sócias Gladys Tchoport, 33, e Claudia Kievel, 31, também produziram uma programação cultural e gastronômica. Na primeira edição virtual, nos dias 15, 16 e 17 de maio, lives falaram de artesanato brasileiro e crescimento consciente para pequenas empresas.

Com a quarentena os e-commerces de todos os setores apresentaram um grande crescimento em popularidade e interesse entre empreendedores. A Feira Jardim Secreto foi criada em 2013 e fazia por volta de cinco sessões por ano reunindo até 10 mil pessoas por dia.

Gladys afirma que apesar da popularidade, a versão de e-commerce não está cobrindo os custos operacionais e ela espera que o e-commerce alcance um equilíbrio no próximo mês. Outro desafio, é a comunicação, já que na virtualização da feira, diversas mudanças organizacionais tiveram que ser mudadas para se adaptar ao ambiente virtual que requer outras demandas comparado ao meio análogo.

Outro exemplo afetado pela pandemia

No caso de José Roberto Giffoni, 54, ele teve que desmontar uma edição já organizada da Feira Sabor Nacional em março, quando foram proibidos eventos acima de 500 pessoas em São Paulo. “Vimos que a gente precisava se mexer rápido”, diz. A empresa, demorou 20 dias para fazer a primeira edição online com uma plataforma que aceitava mais produtores e uma cozinha industrial como espaço de apoio para armazenar os produtos.

No fim de semana de feira virtual, José Roberto e seus sócios recebem os pedidos, buscam os itens nos produtores, separam as encomendas e as entregam em até três dias. Por isso, só nos dias do evento as compras podem ser feitas. “Muitos clientes pedem para a gente fazer todo fim de semana. Mas não dá, é muito trabalho”, diz. A próxima edição está agendada para os dias 20 e 21 de junho.

“Embora a resposta seja positiva, em uma feira online você perde a compra de impulso, não dá ir na barraca para provar”, diz ele. O faturamento agora chega a 20% do que era no cenário pré-pandemia

Fonte:

Folha;

Leave a Reply