Notícias Sobre o Coronavírus

By 24 de março de 2020 Releases No Comments
Vacina corona

Em meio a quarentena é importante se manter positivo. Pensando nisso a CService decidiu compilar notícias positivas relacionadas ao coronavírus.

Estados Unidos Começa a Fazer Testes Em Humanos Com Vacina Contra O Coronavírus

Primeiros testes de reação da vacina são feitos em Seattle

Os primeiros testes em humanos da vacina do COVID-19 começou nesta segunda-feira (16) no Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, o Niaid. Os testes feitos têm como objetivo descobrir se a vacina é segura. Caso os testes forem bem-sucedidos, os próximos conjuntos de testes vão medir a eficiência da vacina.

Apesar do teste ter iniciado “em velocidade recorde”, disse Anthony Fauci, diretor do instituto, a vacina não deverá estar disponível em menos de um ano, mesmo se mostrando segura e eficaz nos primeiros testes.

O rápido desenvolvimento da potencial vacina não tem precedentes e foi possível devido a quantidade de informação já obtida em surtos passados de coronavírus, a Sars e a Mers.

Os testes estão ocorrendo em Seattle, no estado de Washington e apesar da região abrigar diversos casos do COVID-19, o local foi escolhido antes mesmo dos primeiros casos ocorrerem.

A empresa de biotecnologia Moderna está usando o material genético, RNA mensageiro, para fabricar vacinas, a empresa também possui outras nove vacinas em desenvolvimento, incluindo outras diversas para vírus de doenças respiratórias. Mas nenhuma das vacinas com essa tecnologia chegou ao mercado.

Barney Graham, vice-diretor do centro de pesquisa de vacinas do instituto, afirma que “o objetivo aqui é estar pronto para todas as famílias de vírus que podem infectar seres humanos”.

O Teste

O Estudo está recrutando 45 adultos saudáveis entre 18 a 55 anos. Cada adulto receberá duas doses com 28 dias de intervalo. O nome da vacina é mRNA-1273.

Nem todos os participantes receberão a mesma dose, três doses diferentes serão testadas em grupos de 15 pessoas. O estudo determinará se a vacina é segura e se estimula o sistema imunológico a produzir os anticorpos que podem impedir o vírus de causar a COVID-19 e a sua reprodução dentro do corpo humano.

China Começa Teste Clínico Contra Coronavírus

Sendo uma das vacinas mais avançadas, junto da vacina que está sendo criada pelos Estados Unidos, a China anunciou nesta terça feira (17) que acelerou a corrida para ser o primeiro país a achar um remédio contra o COVID-19. O Ministério da Defesa confirmou que o primeiro protótipo contra o coronavírus está pronto para testes clínicos. O projeto está sendo desenvolvido pela CanSino Biologics, em Tianjin, em colaboração com a Academia Militar de Ciências Médicas.

Os responsáveis pelo estudo estão procurando adultos saudáveis de 18 a 60 anos e que não tenham sido infectados pelo coronavírus previamente. No entanto, da mesma forma que a vacina dos estados unidos, a vacina só estará pronta para comercialização em pelo menos 12 meses.

A China também conta com um protótipo de vacina com RNAm, da mesma forma que o Estados Unido está trabalhando, porém ainda está na fase de testes em animais e só deve iniciar os testes em humanos em meados de abril.

Até agora foram feitos testes em 108 voluntários, todos de Wuhan (cidade que originou o surto do vírus), que receberam a primeira dose da vacina na última sexta-feira (20).

Os voluntários que foram vacinados serão acompanhados por seis meses para observar qualquer reação negativa imediata e de longo prazo da vacina.

Atualmente não existe um tratamento ou vacina comercial com eficácia confirmada para o vírus e muitos hospitais estão tratando apenas os sintomas.

Enquanto isso, a Russia afirma que iniciou os testes em animais de uma vacina contra o COVID-19. Os resultados só serão divulgados em junho. O país afirmou que em janeiro que iria iniciar o desenvolvimento de uma vacina, depois de ter recebido da China o genoma do vírus causador do COVID-19 (Sars-Cov 2).

Brasileiros estão criando Vacina Inovadora Contra o Coronavírus

Brasileiros trabalham em vacina contra coronavírus utilizando um método diferente em comparação com os outros países. Os primeiros testes em animais acontecerão nos próximos meses.

A pesquisa está sendo feita No Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) da faculdade de Medicina da USP (FMUSP). Cientistas brasileiros estão investigando uma vacina feita por meio de uma partícula artificial semelhante ao coronavírus.

Como mostrado nas notícias acima, as vacinas criadas ao redor do mundo hoje, são de maioria baseadas do material genético mensageiro (RNAm).

Kalil, diretor do laboratório e coordenador do projeto, afirma que a maneira adotada pelos outros países, apesar de segura, não traz uma resposta imunológica forte.

A proposta de vacina brasileira não utiliza o material genético devido a falta de informação referente ao vírus para produção de uma vacina eficaz.

As partículas criadas para a produção da vacina brasileira são VLPs (virus like particles ou partículas semelhantes a vírus). Elas são criadas em laboratórios e são identificadas pelo nosso corpo como um vírus e, nesse caso, como o vírus causador do COVID-19. Caso a vacina seja bem-sucedida o corpo humano poderá se tornar resistente aos vírus que sejam semelhantes ao coronavírus causador do COVID-19.

Remédio Japonês se Prova Eficaz Contra o Coronavírus

Medicamento japonês criado pela Toyama Chemical (Grupo FujiFilm) o FAvipiravir (T-705, avigan ou favilavir) se mostrou eficaz com o tratamento experimental contra o coronavírus (COVID-19).

O medicamento foi testado em dois tratamentos experimentais em Wuhan (epicentro do vírus) e em Shenzhen (cidade fronteira com Hong Kong). O resultado foi divulgado pelo diretor do Centro Nacional da China para o Desenvolvimento da Biotecnologia sob o Ministério da Ciência e Tecnologia, Zhang Xinmin.

Os pesquisadores acreditam que o medicamento consegue inibir o RNA do vírus. Outras pesquisas também sugerem que o medicamento causa mutações letais ao vírus. Apesar dos seus efeitos em vírus o medicamento não causa nenhum efeito ao RNA ou DNA de células de mamíferos é não é tóxico.

O medicamento além da sua formulação oral também está disponível na versão intravenosa e foi aprovado em 2014 para uso clínico contra pandemias de influenza no japão.

O favipiravir têm demonstrado ação contra os vírus da gripe, vírus de Oeste do Nilo, vírus da febre amarela, vírus da febre aftosa, bem como outros flavivírus, arenavírus, bunyaviruses e alfavus. Atividade contra enterovírus e vírus da febre do Vale do Rift também foi demonstrada.

O favipiravir mostrou eficácia limitada contra o vírus zika em estudos com animais, mas foi menos eficaz do que outros antivirais, como o MK-608. O agente também tem mostrado alguma eficácia contra a raiva e foi utilizado experimentalmente em alguns seres humanos infectados com o vírus.

Fontes:

O Globo;

Notícia R7;

El Pais;

G1;

PFarma

Uol;

Imagem;

Leave a Reply